#02

Educação, desenvolvimento e geração alt+tab

A maior parte dos países desenvolvidos eliminou o analfabetismo no início do século passado. O Brasil ainda acumula desigualdades e ausências. A escolaridade media da população é baixa em relação aos parâmetros internacionais. O analfabetismo de jovens e adultos permanece elevado. Apesar dos avanços recentes, a universalização da oferta ainda apresenta lacunas no ensino infantil, médio e superior. Estar na escola não garante o aprendizado e a questão da qualidade permanece viva. Como enfrentar o desafio da universalização e da qualidade no ensino?

Para debater esse tema reunimos artigos elaborados por reconhecidos especialistas brasileiros. Sergio Haddad (Educação e desenvolvimento – uma discussão necessária) critica a visão reducionista da educação nos debates sobre o desenvolvimento brasileiro conduzido pelos economistas. A tendência natural das análises é a de tratar a educação como suporte do crescimento econômico, um insumo para a formação de mão de obra, destaca Haddad. Ao contrário, o autor defende a necessidade de afirmar tanto o sentido amplo do desenvolvimento, entendido na sua dimensão humana, social e ambiental, resgatando-o das amarrar restritas do crescimento econômico, como o sentido amplo da educação na sua face de insumo para o exercício da cidadania e valorização do potencial sociocultural da população.

O ponto de partida do artigo elaborado por Nelson Pretto (O que quer nas ruas a geração alt+tab?) são as manifestações populares de junho de 2013. “Essa geração, de qualquer idade, com uma dezena de telas abertas ao mesmo tempo, usando simultaneamente as teclas alt+tab para navegar entre todas as janelas abertas, está, agora e literalmente, navegando pelas ruas das cidades com a mesma intimidade com que navegam pelas telas”, afirma o autor.

Sustenta que a educação demandada pelos jovens “muda radicalmente a perspectiva de escola”. Requer outra arquitetura escolar que supere a visão indutiva e exclusiva da sala de aula, do professor posicionado na frente com a função de ministrar a lição, o tempo todo. Portanto, “é urgente que superemos definitivamente as atuais concepções de educação que formam para a linearidade e não para a complexidade”, sublinha Pretto.

Boa leitura!

Eduardo Fagnani

Eduardo Fagnani é professor do Instituto de Economia da UNICAMP, pesquisador do CESIT e coordenador da rede Plataforma Política Social – Agenda para o Desenvolvimento.

Clique para ler a versão digital  I  Baixe a versão PDF 

Anúncios

Deixe seu comentário sobre o texto.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s