#13

revista-pps-13_capa redes

Clique aqui para a versão digital I Baixar o PDF

A virada neoliberal do governo Dilma
Por André Biancarelli | Pedro Paulo Zahluth Bastos Pedro Rossi | Vanessa Petrelli Corrêa

Na retórica e na prática, os primeiros movimentos do novo governo Dilma apontam para austeridade na condução da política macroeconômica. Reformas liberais, ajuste fiscal e aperto monetário aparecem no discurso dominante como panaceia e trazem de volta o fantasma do neoliberalismo que assombrou o país na década de 1990.

Essa virada neoliberal ameaça frontalmente as conquistas sociais recentes e o aprofundamento do processo de distribuição de renda e de ampliação dos direitos sociais. Enquanto o mercado comemora, o peso da austeridade recai sobre os salários, o emprego, os benefícios sociais e os serviços públicos.

Diante disso, a Plataforma Política Social, em parceria com o Brasil Debate e a Rede Desenvolvimentista, traz ao leitor a Série Especial “Austeridade Econômica e Retrocesso Social”.

Lançada em quatro números, a série disponibiliza ao leitor um conjunto de artigos de especialistas no estudo da macroeconomia com análises sobre as primeiras medidas do governo Dilma, o contexto internacional, o abandono das políticas neoliberais mundo afora, as consequências sociais da austeridade e o tripé macroeconômico e sua inadequação.

Nesse primeiro número, intitulado A Virada Neoliberal do Governo Dilma, apresentam-se análises sobre o sentido da mudança de postura macroeconômica e suas consequências. O artigo de Pedro Paulo Bastos compara esse momento histórico ao início do governo Lula, mas alerta para a diferença de cenários econômicos nesses dois momentos, que torna muito mais problemática a atual aproximação com o mercado financeiro.

Pedro Rossi e André Biancarelli argumentam que a gestão macroeconômica do primeiro governo Dilma nunca seguiu uma orientação “social-desenvolvimentista”, ao contrário, foi marcada por equívocos na política fiscal e pelo favorecimento dos setores industriais. O “industrialismo” do primeiro mandato, que atrapalhou o projeto de desenvolvimento social, foi substituído pelo “financismo”, que tem potencial para liquidá-lo.

Por fim, o artigo de Vanessa Petrelli traz uma análise retrospectiva do modelo macroeconômico que levou ao forte crescimento da economia brasileira entre 2004 e 2011, e a posterior desaceleração, destacando que a “solução” de ajuste fiscal parte de uma interpretação equivocada de nossa história econômica recente.

Boa leitura!

Andre Biancarelli (Rede D)
Pedro Rossi (Brasil Debate)
Eduardo Fagnani (Plataforma Política Social)

Anúncios

Uma resposta para “#13

  1. A Mentira Política é o Motor da Mentira Economica
    Para os que acompanham os acontecimentos recentes na economia e na política nacional, não é de estranhar que setores fundamentalistas – materialistas (socialistas internacionalistas; comunistas e místicos (católicos internacionalistas) – se unam em torno das premissas básicas de seus respectivos projetos de dominação do Mundo: o comunismo ateu e o teocrático.
    Ambas as ideologias se encontram na pobreza dos povos escravizados: entregue tudo que tens ao Estado ou à Igreja.
    Aliena tua mente para o proletariado ou para deus.
    E segue teu Senhor!
    A análise de cenário de um comunista parte das premissas seguintes:
    “O quadro atual é gravíssimo. Fragilizado pelas forças da direita derrotadas nas urnas, que tramam o impeachment da presidenta democraticamente eleita, o governo optou pela austeridade na condução da política econômica. Essa opção interdita a agenda de reformas estruturais que o país precisa adotar para se enfrentar, dentre outros temas, as diversas faces da crônica desigualdade social brasileira. Além disso, a possibilidade da recessão poderá colocar em risco as importantes conquistas sociais recentes.”
    Como é típico do “pensamento” comunista, a síntese não contém nenhum elemento da tese ou da anti-tese: “Fragilizado pelas forças da direita derrotadas nas urnas, que tramam o impeachment da presidenta democraticamente eleita, o governo optou pela austeridade na condução da política econômica.”
    1 – Fragilizado pelas forças da direita derrotadas nas urnas
    Se as “forças de direita” foram derrotadas nas urnas, como poderia um governo VENCEDOR ser fragilizado?
    Auto-vitimização. Mediocridade política e atitude mental de inferiorização para se vitimizar perante os leitores, que assim, “ficariam do lado do pobrezinho” do comunista. Lembrando a Grande Obra de Limpeza Étnica dos comunistas em http://www.SovietStory.com, o HOLODOMOR, em que mais de 25% da população da Ucrânica foi EXTERMINADA EM UM INVERNO, PELA FOME!
    Obra dos progressistas internacionais-socialistas e do Exército Vermelho Soviético.
    2 – tramam o impeachment da presidenta democraticamente eleita
    Novamente a vitimização.
    Não existe nenhuma trama para derrubar a presidente. O que existe é corrupção chefiada e protegida pela presidente, que foi do Conselho da PETROBRAS durante o “governo” do Mensaleiro da Silva, Ministra da Energia e nomeou a diretoria da PETROBRAS, que promoveu a maior quadrilha de criminosos da história desse país.
    Não existe “impeachment” na legislação brasiliana, assim, não pode ser feito, ou pedido, o que não existe.
    A cassação do mandato da presidente deve estar na ordem do dia da Câmara Federal, que é o foro adequado para a ação de cassação, que poderá ser promovida pelo Ministério Público Federal a partir das provas de crimes contra a economia, contra a iniciativa privada – lembrando que a iniciativa privada é um dos FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA, e que a PETROBRAS não é.
    3 – o governo optou pela austeridade na condução da política econômica
    Considerando que, para os comunistas, economia é o que eles mandam os outros fazerem quando intervêm na economia, então, não há nada mais para fazer, mesmo, quando já fizeram tudo errado e produziram a depressão.
    Como não conseguem ver o MERCADO, intervêm na economia e vêem uma “economia”, que juram que é real. Como estão em outra dimensão, clássica, com ideologia do século XIX, ainda não entenderam que o Universo não é apenas o que se consegue ver, mas o que se pode aprender a ver.
    É mais fácil quebrar um átomo do que um preconceito.
    Para os comunistas, o mundo político … está na linha ….
    Não conseguem ver mais do que isto.
    A opção
    “Essa opção interdita a agenda de reformas estruturais que o país precisa adotar para se enfrentar, dentre outros temas, as diversas faces da crônica desigualdade social brasileira.”
    1 – a opção (austeridade na condução da política econômica) interdita a agenda de reformas estruturais
    Tento entender o conceito de “estrutural” que os comunistas usam. E de “reformas”.
    Se um governo eleito pelo povo e VENCEDOR não tem força política nem capacidade técnica para elaborar um Plano de Reformas Estruturais que sejam sustentáveis, então o quê, exatamente, estes comunistas estão fazendo no “governo”?
    Como é que se faz um Plano Plurianual e a legislação correlata, debatida com a “base aliada” e um Plano de Reformas Estruturais que não podem ser implementados pelo governo que os elabora?
    Porque elaborar algo que não poderá ser implementado? Não tem ninguém no governo que soubesse que a intervenção no MERCADO cobra a incapacidade de atingir as metas pretendidas antes da intervenção?
    2 – o país precisa adotar para se enfrentar, dentre outros temas, as diversas faces da crônica desigualdade social brasileira
    Como aceitar que a inépcia e ignorância dos membros do governo, que não souberam fazer os planos de reformas estruturais para serem sustentáveis em cenários de risco, possam ser capazes de diminuir a desigualdade social do país?
    Todas as ações do governo só fazem aumentar as desigualdades.

    1 – Além disso, a possibilidade da recessão poderá colocar em risco as importantes conquistas sociais recentes
    Quais foram as “importantes conquistas sociais recentes”?
    A produção de uma inflação ainda maior que no ano anterior?
    O aumento brutal da taxa de juros “oficial”?
    A produção de mais constrangimentos administrativos para as empresas contratarem?
    Com o quadro econômico que o governo diz que as empresas têm de arcar, mas que foi produzido com o objetivo de “derrubar o capitalismo”, o resultado a ser alcançado será o agudizamento da crise econômica.

Deixe seu comentário sobre o texto.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s